SOLICITAR PROPOSTA

PRONTO!

Seu formulário foi enviado com sucesso, aguarde nosso contato!

ERRO!

O(os) campo(os) marcados não foi (foram) preenchido(os) corretamente.

ERRO!

Aceito Receber Comunicação via Email

Aceito Receber Comunicação via Celular

Novidades

27

Apr

IMPRESSÕES: novo Honda Civic, o anti-Corolla

O desempenho do Toyota Corolla no mercado brasileiro é impressionante. Em 2015, ele vendeu o dobro do segundo colocado dos sedãs médios. Mas essa supremacia pode estar com os dias contados, pois em meados de 2016 o vice-líder, o Honda Civic, ganha uma nova versão que é a antítese do atual Corolla.

É só olhar as linhas da décima geração para notar que ela traz um conceito bem diferente do arquirrival. O Civic 2016 está mais ousado e imponente, ganhando ares sofisticados da Acura, divisão de luxo da Honda. Os designers criaram linhas modernas e ousadas ao transformá-lo numa espécie de sedã-cupê, que segue uma tendência que ganhará companhia até o final do ano, com a chegada do novo Chevrolet Cruze. É um estilo que agradará ao público mais jovem, mas que pode fazer os mais conservadores sentir falta dos três volumes bem definidos, típicos de um sedã.

No entanto, mais que design, a Honda construiu um novo carro a partir do zero. A ideia era causar um estrondo no segmento e abalar o sucesso mundial que é o Corolla. Foi o que permitiu que o Civic crescesse: o comprimento aumentou 7,5 cm e a largura, 5 cm. Só a altura foi levemente reduzida (4 cm), para melhorar seu perfil aerodinâmico, mas sem prejudicar o espaço interno para a cabeça, já que bancos e piso foram rebaixados. Com a renovação, o carro passou a usar mais aços de alta resistência na construção, o que possibilitou que ficasse quase 30 kg mais leve, apesar do aumento de medidas.

Como o Civic 2016 acabou de chegar aos EUA, percebe-se que seu desenho moderno chama a atenção pelas ruas. Principalmente pela vistosa barra cromada que se estende por cima dos faróis, que na versão Touring são totalmente em leds – item inédito nessa categoria. Teto solar e rodas diamantadas de 17 polegadas completam o visual da versão.

O requinte externo acompanhou as mudanças internas. Ao volante, ele está diferente do antigo Civic, com posição de dirigir muito baixa e acabamento interno bem cuidado. Aliás, é nesse item que o Civic dá um banho no Corolla. O painel e as portas são revestidos com materiais de extremo bom gosto e toque macio. O couro dos bancos (que pode ser bicolor na versão americana) e do volante é de boa qualidade e sem falhas aparentes. O modelo até parece ser de uma categoria superior. O tradicional painel de dois andares deu lugar a um conjunto único, que acende em azul e branco para dar as boas-vindas ao motorista assim que apertamos o botão Start. O centro do quadro de instrumentos tem um mostrador todo digital, que pode ser ajustado. É lá que aparecem os principais dados do computador de bordo, além das informações do sistema de áudio e do ar-condicionado.

Tudo é controlado pelo volante multifuncional, que traz um recurso curioso: a tecla do ajuste de volume funciona como uma tela touchscreen de celular. Basta tocá-la com a ponta do dedo e arrastar para cima ou para baixo até o nível desejado.

No centro do painel, a tela multimídia de 7 polegadas sensível ao toque, antes voltada ao condutor, agora está perfeitamente centralizada. A maior novidade aqui são os aplicativos Apple CarPlay e Android Auto, que permitem espelhar seu smart-phone na tela do carro. A central é compartilhada ainda por um sistema próprio de navegação e duas câmeras externas que auxiliam em manobras, uma na traseira e outra logo abaixo do retrovisor direito, com a finalidade de eliminar o ponto cego. Ela transmite imagens sempre que a seta for acionada para a direita ou quando solicitado pelo motorista, por meio de um botão na alavanca da seta.

Um grande destaque do interior é o espaço, em parte maior pelo entre- eixos que cresceu 3,2 cm, mas também pelos bancos mais finos e assoalho rebaixado. Apesar do caimento do vidro traseiro estilo fastback, alguém de 1,80 metro viaja com conforto atrás – pode até cruzar as pernas sem encostar no banco dianteiro ocupado por outra pessoa de mesma altura. A folga só não contempla quem senta no meio, por causa do túnel no assoalho – um retrocesso, já que o Civic 2015 tem o piso plano atrás.

Concebido para ser o mais seguro do segmento, o sedã traz controle de tração e estabilidade, ABS com EBD e BAS, assistente de partida em rampas, controle de cruzeiro adaptativo com aviso de colisão e frenagem automática. Outra novidade é o assistente de mudança de faixa: num desvio de trajetória, o volante vibra para alertar o motorista e, automaticamente, a direção leva o carro para dentro da faixa, se o condutor não fizer força no sentido contrário. Mas há boa chance de alguns desses itens não chegar por aqui, como ocorreu com o HR-V. O único ponto fraco desse ótimo conjunto pode ser o custo Brasil. Nos EUA, o 2.0 básico é só 8% mais caro que o Corolla de entrada, mas o 1.5 top salta para 15% sobre o Toyota mais caro. Como a Honda brasileira sempre se destacou pelos altos preços, esse pode virar o calcanhar de Aquiles do Civic. Tomara que não.

Fonte: Quatro Rodas.