SOLICITAR PROPOSTA

PRONTO!

Seu formulário foi enviado com sucesso, aguarde nosso contato!

ERRO!

O(os) campo(os) marcados não foi (foram) preenchido(os) corretamente.

ERRO!

Aceito Receber Comunicação via Email

Aceito Receber Comunicação via Celular

Novidades

17

Oct

HONDA CIVIC VTI: apetite por giro alto

O Honda Civic VTi de quinta geração se despediu do mercado há mais de 20 anos, mas o passar do tempo não extinguiu sua espécie. Ainda hoje é como um vulcão dormente, sem sinais de atividade: a qualquer momento pode entrar em erupção, surpreendendo a todos.

A aparência pacata da versão hatch escondia um esportivo feroz, dono de tecnologias incomuns à época. A quinta geração (denominada EG) exibia linhas fluidas e arredondadas – a supressão da grade frontal marcava a sobriedade do desenho e a eficiência aerodinâmica.

O baixo peso e as suspensões de braços sobrepostos nas quatro rodas resultavam em um comportamento dinâmico irrepreensível, perfeito para o lendário B16A de 1,6 litro. Esse motor tinha quatro cilindros e 16 válvulas, entregando espantosos 160 cv – quase a mesma potência de um Omega CD (dono de um 6 cilindros 3.0). Para ter uma ideia do impacto, nossos melhores esportivos eram o Gol GTI e o Kadett GSi, com motores 2 litros e não mais que 121 cv. Com a mesma cilindrada, o Uno 1.6R não passava dos 86 cv.

O segredo estava no comando variável VTEC, com dois perfis de acionamento das válvulas de admissão e escapamento. O primeiro atuava em baixas rotações, garantindo consumo moderado e dirigibilidade dócil. O segundo perfil entrava em ação a partir das 4.500 rpm, fazendo com que o motor girasse praticamente livre até o corte de giros (a 8.200 rpm).

A dupla personalidade do motor era um atrativo: a transição do comportamento pacato do primeiro perfil para a selvageria do segundo fez a fama e a pegada do VTEC – até o ronco mudava em altas rotações.

Com aceleração de 0 a 100 km/h em 8,5 segundos e máxima de 211 km/h, o Civic VTi tornou-se referência em desempenho numa época em que nossos esportivos cumpriam a mesma prova de aceleração em mais de 10 segundos, sem sequer chegar aos 190 km/h. Mas a boa sensação ia além dos números: era confortável e oferecia o mesmo status de importados duas ou três vezes mais caros.A crença de que seria inquebrável foi colocada à prova em 1993, quando foi incorporado ao Longa Duração. Após 60.000 km, foi aprovado com louvor.

Moderno, o VTi pouco sentiu o peso dos anos. Fabricado em 1995, este exemplar pertence ao paulistano Flavio Ferreira e ainda hoje parece atual. “É uma verdadeira lenda dos anos 90”, diz o fã e proprietário.

O Civic de sexta geração (EK) chegou por aqui em 1997. Porém, sua importação foi suspensa no mesmo ano, após o início da produção do Civic sedã, em Sumaré (SP).

Apresentada em 2000, a sétima geração não exibia o mesmo apelo: a suspensão dianteira McPherson e traseira por eixo de torção foram consideradas um retrocesso pelos puristas. E o motor K20A3 de 2 litros da versão Si rendia os mesmos 160 cv da geração anterior a baixos 6.500 rpm. Para muitos entusiastas, apenas os Civic quinta e sexta gerações merecem ser reverenciados. 

Evolução anunciada

O Civic VTi da geração EK serviu de base para outra lenda: o primeiro Civic Type R. Nessa versão, o hatch perdia peso e ganhava desempenho: o motor B16B rendia 185 cv a 8.200 rpm. O câmbio curto com diferencial autoblocante permitia acelerações de 0 a 100 km/h em 6,8 segundos.


FICHA TÉCNICA - CIVIC VTI 1995
Motor: 4 cilindros em linha de 1,6 litro, 160 cv a 7.600 rpm, 15,3 mkgf a 7.000 rpm
Câmbio: manual de 5 marchas
Dimensões: comprimento, 408 cm; largura, 169 cm; altura, 134 cm; entre-eixos, 257 cm; peso, 1.080 kg
Desempenho: 0 a 100 km/h em 8,5 segundos, velocidade máxima de 211 km/h


Fonte: Quatro Rodas