SOLICITAR PROPOSTA

PRONTO!

Seu formulário foi enviado com sucesso, aguarde nosso contato!

ERRO!

O(os) campo(os) marcados não foi (foram) preenchido(os) corretamente.

ERRO!

Aceito Receber Comunicação via Email

Aceito Receber Comunicação via Celular

Novidades

03

Mar

Honda Fit 2016: quando o espaço interno vale mais que tudo

O Honda Fit é um carro certinho, com desempenho condizente à sua proposta e uma cabine versátil. Faltava a ele oferecer um acabamento interno à altura do seu preço. E isso veio na linha 2016 do monovolume. As versões EX adotaram o painel da versão topo de linha EXL, com iluminação azul e computador de bordo, detalhes em prata no habitáculo, volante multifuncional revestido de couro e com os controles do piloto automático, além de repetidores de seta nos retrovisores externos. Já a EXL traz a mais, em relação EX, airbags laterais e bancos forrados de couro.

Todas as versões (DX, LX, EX e EXL) usam o motor 1.5 FlexOne, que dispensa o tanquinho de gasolina de partida a frio. As configurações DX e LX têm opção de câmbio manual de cinco marchas ou continuamente variável (CVT), enquanto a avaliada EX e a EXL são comercializadas somente com transmissão CVT. O bloco 1.5 associado a essa caixa transmite uma condução precisa, mas livre de grandes emoções.

O Honda trafega em trechos urbanos sempre em giro baixo e com bom consumo – pelo computador de bordo, obtivemos médias de 9,5 km/l com trânsito livre. A rigidez da direção elétrica varia de acordo com a velocidade, com boas respostas ao esterço. E as suspensões absorvem bem as imperfeições do piso, mas poderiam ser mais silenciosas. Outro pênalti está nos freios traseiros a tambor, quando na geração anterior eram a disco. Lembre-se: o Fit EX custa R$ 65.900.

Apesar desse e de outros deslizes, a cabine do Fit compensa. É o seu ponto alto, com espaço abundante, permitindo modular os bancos nas versões LX, EX e EXL. Ele possibilita até acomodar objetos altos e longos, como uma bicicleta. Além disso, o modo Refresh permite deixar o encosto dianteiro alinhado com o banco traseiro – como uma cama mesmo – para aumentar a capacidade de transporte. Diversos porta-objetos e porta-copos estão espalhados pelo habitáculo do Honda para facilitar a acomodação das tralhas do dia a dia. Bom de dirigir, o Fit é. Porém, ele é uma opção interessante para aqueles consumidores que priorizam um carro espaçoso a ter prazer ao volante.

—–
Ficha técnica:
Honda Fit EX

Preço básico: R$ 61.150
Motor: 4 cilindros em linha, 16V, comando variável
Cilindrada: 1496 cm3
Combustível: flex
Potência: 115 cv a 6.000 rpm (g) e 116 cv a 6.000 rpm (e)
Torque: 15,2 kgfm a 4.800 rpm (g) e 15,3 kgfm a 4.800 rpm (e)
Câmbio: continuamente variável (CVT)
Tração: dianteira
Direção: elétrica
Dimensões: 3,998 m (c), 1,694 m (l), 1,535 (a)
Entre-eixos: 2,530 m
Pneus: 185/55 R16
Porta-malas: 363 litros
Tanque: 45,7 litros
Peso: 1.099 kg
0-100 km/h: não divulgado
Velocidade máxima: não divulgada
Consumo cidade: 12,3 km/l (g) e 8,3 km/l (e)
Consumo estrada: 14,1 km/l (g) e 9,9 km/l (e)
Emissão de CO2: 102 g/km
Nota do Inmetro: A
Classificação na categoria: A (Compacto)

Fonte: TERRA.